frete grátis para todo brasil a partir de R$350
discos de vinil • serviço sonoro
loja física aberta aos sábados / 10h-18h
R$280,00
Luaka Bop
Descrição

Artista - Tim Maia

Título - Nobody Can Live Forever (The Existential Soul Of Tim Maia)

Gravadora - Luaka Bop (série World Psychedelic Classics)

Ano - 2012

Formato - coletânea, remasterizada / LP, vinil duplo / capa dupla

 

A Luaka Bop planejou esse volume de Tim Maia em sua série World Psychedelic Classics por uma década. Devido a problemas legais, foi preciso esperar até 2012 para que essa retrospectiva de 15 faixas fosse lançada. Valeu a pena esperar. Tim, que faleceu em 1998 aos 55 anos de idade, teve uma vida selvagem, polêmica e criativa, tanto pessoal quanto musicalmente. Ele efetivamente introduziu o R&B, o funk e o soul americanos na música brasileira durante a era da Tropicália e criou algo completamente novo no processo. Ele pegou o vírus da música americana quando era adolescente. Viveu, trabalhou, fez música e cometeu pequenos crimes nos Estados Unidos entre 1957 e 1964, quando foi deportado de volta ao Brasil. Embora essa música não seja necessariamente psicodélica em termos de som, ela o é em sua perspectiva. Maia era um ácido impenitente e membro de uma seita de OVNIs, um hedonista e um viajante espiritual.

Seus temas de fraternidade universal, transcendência espiritual, amor livre e festas coletivas se encaixam na era psicológica em uma musicologia decididamente mais baseada no groove. As músicas não parecem datadas porque estão contidas em arranjos, composições e uma estética de produção que é atemporal. O material foi compilado a partir dos álbuns de Maia gravados entre 1971 e 1978 - muitos deles intitulados simplesmente Tim Maia (sete deles tinham esse título somente durante esse período). Os únicos outros títulos em sua discografia de álbuns dessa época foram os clássicos indiscutíveis Racional (1974) e sua sequência, Racional, Vol. 2 (1975). Seis dessas 15 faixas vêm desses dois últimos álbuns.

A faixa de abertura "Que Beleza" (título original "Imunização Racional") (1974) é uma fusão ardente de funk, big horns e soul sofisticado do início dos anos 70 (com um som de guitarra elétrica que vem direto do livro de Ernie Isley). A discoteca marca presença em "Do Leme Ao Pontal", de 1978; os refrões cantados também acrescentam elementos das tradições da música folclórica brasileira à mistura. "Let's Have a Ball Tonight", com seu soul espacial, B-3 cintilante e guitarras em camadas, dá lugar a uma série de baixos fortes e desagradáveis, teclados suaves e intervalos de caixas metálicas. "I Don't Care", de sua estreia em 1971, com sua interação entre pausas, cordas dramáticas, vibrações, buzinas e guitarras elétricas, é um ponto alto. Mas suas baladas também funcionam bem; veja "Where Is My Other Half" (1972). O groover midtempo "The Dance Is Over" é uma das músicas mais sensuais que Maia já gravou. "Rational Culture" (do álbum Racional, de 1974) é uma jam funk monstruosa de mais de 12 minutos. Ela contém o uso mais moderno de um clavinet do que o Headhunters de Herbie Hancock. Nobody Can Live Forever: The Existential Soul of Tim Maia, mais do que faz jus ao seu título; é a compilação definitiva de seus melhores anos.